Assédio sexual: o que é, como denunciar e se defender

O que é assédio sexual

O assédio sexual é tido como qualquer tentativa de contato sexual que não seja consentido.

Em um sentido mais estrito, cujo termo mais frequentemente é utilizado, este tipo de violência é caracterizada por uma coerção, com caráter sexual, praticado por pessoa que está em uma posição hierárquica acima de outra, ou seja, um abuso praticado por um superior a um subordinado.

Normalmente o assédio sexual é verificado em ambientes de trabalho ou acadêmico, e ainda que na grande maioria das vezes seja praticado por quem detém uma posição de superior hierárquico, o contrário também pode ocorrer.

Veja: Assédio Moral no Trabalho: Saiba Como Identificar e se Defender

Veja Também: 11 Motivos para as Empresas Contratarem Mais Mulheres

A Lei nº 10.224/01 alterou o Código Penal Brasileiro, acrescentando o seguinte dispositivo:

Art. 216-A. Constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função.

Pena – detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos.

O dispositivo ainda prevê que a pena será aumentada em até um terço no caso da vítima ser menor de 18 (dezoito) anos.

Veja Também: Conheça alguns dos melhores empregos do mundo

Vários são os atos que caracterizam o assédio sexual e, dentre os mais comuns, temos:

  • Ameaça ou insinuação de demissão;
  • Insinuação de hostilidade ao subordinado;
  • Convites impertinentes;
  • Flertes excessivos e insistentes;
  • Condição para manutenção de emprego;
  • Condição para promoção na carreira;
  • Oferta para crescimento profissional.

Os exemplos acima, combinados com exigência de favores sexuais, caracterizam a violência.

Muitas vezes são as mulheres que sofrem o assédio sexual, por estarem em uma posição mais frágil, ou assim pensarem.

O medo de denunciar, ser desacreditada ou perder o emprego faz com que muitas se calem e se submetam aos abusos.

O assédio sexual não precisa ocorrer dentro do ambiente de trabalho para ser caracterizado, bastando que aquele que assedia utilize de sua condição de superior hierárquico para submeter o subordinado a uma situação constrangedora de abuso.

Um exemplo seria o chefe dirigir-se à casa de sua subordinada e oferecer uma promoção na carreira, desde que ela saia com ele para um jantar íntimo.

O contato físico não é a única forma de assediar sexualmente, podendo o ato ser praticado através de gestos, bilhetes, e-mails e, mais atualmente, whatsapp.

Veja Também: 7 profissões que pagam as mulheres muito bem

Como denunciar o assédio sexual?

Em primeiro lugar, as pessoas precisam ter em mente que o fato de não haver denúncia por medo, não transforma o silêncio da vítima em aceitação do ato abusivo.

Antes de proceder a uma denúncia, uma boa conversa com o assediador pode resolver.

Não ter medo de dizer ‘não’ e manter a firmeza é o primeiro passo.

Ainda assim, caso não adiante, é preciso procurar o setor de Recursos Humanos da empresa e fazer uma reclamação formal.

Muitas mulheres, por receio, deixam de fazer a denúncia por assédio sexual ao setor de Recursos Humanos, dificultando a ação do empregador.

Conversar com colegas mais próximos, ou que tenham testemunhado o abuso a fim de obter ajuda com as provas, é importante.

Bilhetes, e-mails, presentes, recados em redes sociais etc., ajudam a demonstrar o assédio.

Em todo caso, se não funcionar a reclamação ao setor responsável da empresa, você poderá ir a uma delegacia e registrar Boletim de Ocorrência, além de comparecer ao Ministério Público do Trabalho e informá-lo do ocorrido.

Outros órgãos, como sindicato ou órgão de defesa dos direitos das mulheres ou dos trabalhadores também são válidos para denúncia.

O Ministério Público do Trabalho ainda orienta que se faça um relato do assédio sexual à CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes) e ao SESMT (Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho).

Veja Também: 10 dicas de etiqueta no trabalho

Como se defender de um assédio sexual?

O assédio sexual ocorre quando um superior hierárquico passa a importunar o subordinado, podendo assumir diversas feições.

A insistência e importunação podem evoluir de uma simples cantada a um ato mais abusivo, como toques não consentidos.

Alguns cuidados podem ser tomados para evitar situações desagradáveis:

  • Cautela com brincadeiras com os colegas de trabalho;
  • Ser firme na sua posição de não aceitar presentes ou convites para sair;
  • Evitar conversar sobre a vida íntima;
  • Não permitir perguntas indiscretas, sendo firme – mas educada – no momento de dizer que não vai responder;
  • Evitar ficar sozinha no mesmo ambiente que a pessoa que a assedia;
  • Comunicar aos superiores hierárquicos do assediador os fatos que vêm ocorrendo.

Se você está em uma posição desagradável, saiba que a culpa não é sua.

Não tenha medo de denunciar, pois o receio é que fará com que o assediador continue progredindo em suas investidas.

Não fique insegura em dizer ‘não’, e se isso não for suficiente para evitar a continuidade do assédio sexual, conte a alguém e vá procurando os caminhos necessários até cessar o abuso.

Não são poucas as mulheres que sofrem com o assédio sexual, e não raro os homens que julgam que essas investidas consistem em apenas elogio ou uma brincadeira.

Fato é que muitas vezes o assédio não tem por finalidade apenas a paquera, mas um meio de autoafirmação e poder.

Veja Também: Violência Doméstica: O Que Fazer, Como Denunciar e se Defender

O post Assédio sexual: o que é, como denunciar e se defender apareceu primeiro em Site de Beleza e Moda.

%d blogueiros gostam disto: