Câncer do Colo do Útero: Causas, Sintomas e Tratamentos

O colo do útero trata-se de uma estrutura pequena em formato similar ao de uma rosca. Essa parte do corpo feminino está localizado no topo da vagina, sendo a entrada do útero. O câncer do colo do útero ou câncer cervical, atinge uma camada externa chamada de epitélio cervical.

Esse tipo de câncer geralmente cresce de vagar, por isso, muitas pessoas demoram para perceber o seu desenvolvimento. As células cancerígenas podem permanecer na cobertura cervical por até 10 anos. É comum casos aonde o câncer se alastra pelos tecidos próximos e invade o útero, vagina, bexiga e reto.

Quer saber mais? Então não perca esse artigo.

Não deixe de ler e compartilhar!

Câncer do Colo do Útero

Câncer do Colo do Útero: Causas, Sintomas. Imagem: (Divulgação)

O câncer do colo do útero é causado, na maioria das vezes, por uma infecção por meio do Papiloma Vírus Humano (HPV). O HPV danifica as células que alinham o colo do útero. Às vezes, o problema acontece nos genes das células e isso dá origem ao câncer do colo do útero.

O HPV é mais comum do que muitas mulheres imaginam. Esse mal atinge as mulheres sexualmente ativas. No entanto, somente um pequeno número de mulheres que tem o HPV desenvolvem câncer de colo de útero.

Fumar é um dos fatores que elevam as chances de ter câncer do colo do útero. Quem tem o vírus da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (HIV) também está no grupo de pessoas que podem desenvolver HPV (1,2,3).

Sintomas

Nos estágios iniciais do câncer do colo do útero você poderá ter os seguintes sintomas:

  • Sangramento vaginal
  • Sangramento após/durante o sexo
  • Fluxo de menstruação anormal e/0u mais prolongada
  • Sangramento entre os períodos de menstruação

Esses sintomas não são essencialmente um sinal de câncer do colo do útero, mas pode ser um indicativo. Se identificar algum desses sintomas procure um ginecologista e faça todos os exames.

Os sintomas de câncer do colo de útero mais avançado são:

  • Dor pélvica
  • Perda de apetite
  • Perda de peso excessiva
  • Anemia
  • Sangramentos vaginais

Diagnóstico

O diagnóstico do câncer do colo do útero pode ser por meio de um exame pélvico. O exame clínico  funciona como uma inspeção uterina e na vagina.

Por isso, ao menos uma vez ao ano, procure o seu médico (ou médica) e faça o exame de papanicolau. Durante esse teste o médico responsável coleta células da superfície e do canal do colo do útero.

Esse material é enviado para um laboratório e testes serão feitos. Se nesse exame você tiver a detecção de células cancerígenas ou com outra anomalia, o ginecologista pedirá mais exames, como por exemplo:

  • Exame do colo do útero e da vagina com um instrumento de aumento;
  • Biópsia do tecido do colo do útero será examinado em um laboratório;
  • Será feita a raspagem para a remoção das células da abertura interna do colo do útero;
  • Teste de DNA para verificar da infecção por HPV.

O DNA vai identificar o tipo de HPV apontando se existe a possibilidade de desenvolver esse câncer. Se você estiver no grupo de risco, o médico fará exames regulares para saber se está tudo bem.

Somente assim, se algo for identificado, o tratamento começará prematuramente.

Duração do Câncer do colo do útero

O câncer do colo do útero aumenta gradualmente.

O problema é que muitas mulheres não vão ao ginecologista regularmente, e quando descobrem o problema é tarde demais para a cura. Esse tipo de câncer pode atingir qualquer mulher sexualmente ativa, independente da idade.

Por isso, ao iniciar a sua vida sexual, periodicamente vá ao médico e faça todos os exames preventivos. Enquanto o câncer de colo não for tratado o seu quadro continuará evoluindo.

Prevenção

Como na maioria dos casos ele é causado pelo HPV;  a prevenção do HPV inibe as consideravelmente as chances do desenvolvimento desse câncer. Por isso, foram criadas duas vacinas disponíveis contra o
HPV.

A recomendação é que todas as meninas com idade entre 9 e 15 anos recebam a vacina contra o HPV.

Mulheres com idade entre 15 e 26 anos podem receber a vacina gratuitamente. Nesse último caso o Ministério da Saúde libera a vacinação gratuita em duas doses.

Mesmo quem tomou a vacina deve fazer exames ginecológicos regulares (uma vez ao ano). Com isso, a detecção não só do câncer, como também de outras doenças, podem ser feitas precocemente.

Para prevenir o câncer, também dê atenção à sua alimentação.

Tratamento

O tratamento depende muito do estágio da doença. Quanto mais alastrado estiver, mais complexo o tratamento.

  • O câncer do estágio 0 permanece dentro da camada superficial.
  • O estágio 1 permanece dentro do colo do útero.
  • O estágio 2 se estende para além do colo do útero, mas não para a parede pélvica ou para a parte inferior da vagina.
  • O estágio 3 se estende na parede pélvica, na parte inferior da vagina ou nos tubos que conectam os rins à bexiga.
  • O estágio 4 se estende além da pelve ou envolve a bexiga, o reto (ou ambos).
  • Mulheres grávidas com câncer de colo do útero no estágio 0 ou 1, permite que a mãe leve a gestação até o final antes de tratá-lo.

Se a mulher não estiver grávida, mas deseja ter filhos e se for detectada a doença no início dos estágios, é possível fazer procedimentos como:

  • Vaporizar a camada superficial do tecido;
  • Congelar tecido epitelial para destruir células anormais;
  • Remoção cirúrgica de um pedaço de tecido cervical em forma de cone;
  • Remoção das células anormais do colo do útero usando uma corrente elétrica.

Depois de dois anos de qualquer um desses procedimentos, o médico indicará uma bateria de exames para verificar possíveis anomalias no colo do útero.

Caso a mulher não queira engravidar; em alguns casos a histerectomia total é indicada. Nesse processo o útero é removido.

Nos casos de câncer em estágio 2 em diante a remoção do útero é recomendada, além de quimioterapia e/ou radioterapia.

Consulte um médico para saber qual o melhor tratamento para a sua situação. E busque orientação emocional e apoio entre os amigos e familiares, para que esse momento seja enfrentado da melhor forma possível.

 

 

Dr. Juliano Pimentel

 

%d bloggers like this: