A vacina contra caxumba foi a mais rápida da história (até 2020)

0
19

A vacina contra caxumba é uma vacina atenuada que contém vírus “enfraquecidos” do sarampo, rubéola e caxumba, aminoácidos, albumina humana, sulfato de neomicina, sorbitol, gelatina e uma pequena quantidade de vacina de proteína de ovo usada no processo de fabricação.

A nova pandemia de coronavírus trouxe novas realidades para a população mundial, como isolamento social, medidas especiais de higiene, uso de máscaras e novos consumos e formas de pensar. Isso tem causado grande ansiedade por causa dessas mudanças no cotidiano e da espera por imunizações eficazes que podem representar o possível fim da pandemia.

Criação da vacina contra a caxumba

medical-1729443__340 A vacina contra caxumba foi a mais rápida da história (até 2020)

A vacina contra caxumba foi criada na década de 1960, quando o microbiologista americano Hilleman coletou material para investigar o que sua filha, Jeryl Lynn, tinha. O esfregaço na garganta da menina mostrou tratar-se de caxumba, doença que pode ter várias complicações dependendo do tônus ​​adquirido.

O médico não perdeu tempo e aproveitou para implantar uma nova tecnologia que acaba de produzir uma vacina contra a poliomielite e o sarampo: o cultivo de formas vivas atenuadas do vírus em embriões de galinha. A cepa do vírus da caxumba é cultivada em cultura de células de embrião de galinha. Portanto, as cepas de vírus produzidas experimentalmente têm baixa compatibilidade com células humanas e, portanto, produzem uma resposta imune suficiente sem causar infecção.

Em um tempo recorde (apenas 4 anos), uma vacina segura e eficaz contra a caxumba foi desenvolvida e comercializada. Em memória de sua filha, a cepa de caxumba foi batizada de “Jeryl Lynn”.

A vacina contra caxumba foi associada às vacinas contra sarampo e rubéola(A tríplice viral) e ainda faz parte do programa de imunização de crianças e adolescentes na maioria dos países.

A vacina é indicada a partir dos 12 meses. A segunda dose deve ser administrada aos 2 a 4 anos de idade. Adolescentes não vacinados devem receber duas doses. Os adultos que vão para o exterior sem lista de vacinação devem ser vacinados.

ESQUEMA DE DOSES:

– Para crianças, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e a Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) rotineiramente recomendam duas doses: uma aos 12 meses de idade e outra de 1 a 3 meses e 2 anos, junto com a varicela vacina., vacina única (vacina contra SCR e varicela) ou combinada (tetraviral: SCR-V)

-Crianças mais velhas, adolescentes e adultos que não foram vacinados ou não têm prova de dose: vacinar duas vezes com um intervalo de um a dois meses.

CONTRAINDICAÇÕES:

  •  Reações alérgicas aos ingredientes da vacina (incluindo neomicina e gelatina)
  • Gravidas
  • Supressão imunológica; corticosteroides orais ou parenterais usados ​​em uma dose equivalente a 2 mg / kg / dia ou prednisona 20 mg / dia por mais de duas semanas
  • Doença febril aguda
  • Pessoas que receberam terapia hemoderivada (consulta a equipe técnica), quimioterapia e radioterapia nos últimos 3 meses. Após um transplante de medula óssea, você deve esperar 1 a 2 anos antes de receber a vacina.

Recomenda-se evitar a gravidez por 30 dias após a aplicação. A vacinação de crianças no mesmo dia com vacina contra febre amarela e / ou varicela deve ser evitada em crianças com intervalo de pelo menos 30 dias. Pode ser usado simultaneamente com qualquer outra vacina.

EVENTOS ADVERSOS DA VACINA TRÍPLICE VIRAL

  • A febre alta (acima de 39,5 ° C), que aparece 5 a 12 dias após a vacinação e dura 1 a 5 dias, pode ocorrer em 5% a 15% das pessoas vacinadas.
  • Até 4% dos vacinados também podem sentir dores de cabeça, irritabilidade, febre baixa, lacrimejamento e vermelhidão dos olhos e coriza.
  • Manchas vermelhas no corpo aparecem em 5% dos vacinados.
  • Manifestações hemorrágicas (púrpura trombocitopênica) foram relatadas na proporção de um caso em 30.000 a 40.000 crianças vacinadas, com evolução leve entre 12 e 25 dias após a vacinação.
  • No entanto, esse fenômeno está contra-indicado com outras doses da vacina MMR.
  • Dor nas articulações ou artrite ocorrem em 25% das mulheres após a puberdade, um a 21 dias após a vacinação.
  • Esta reação é transitória, leve e não contra-indica outras doses da vacina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui