A vacina Coronavac não causou efeito colateral em 94,7% dos voluntários

0
27
vacina Coronavac

A vacina Coronavac contra o novo coronavírus desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em cooperação com o Instituto Butantan apresentou reações adversas de baixo nível em 5,36% dos participantes.

Efeito colateral da Coronavac

As reações mais comuns foram dor leve (3,08%), fadiga (1,53%) e febre moderada (0,21%) no local da aplicação.

Crianças e idosos são vacinados na China desde setembro, mas o país só testa na primeira e na segunda fase. De acordo com esse estudo, até o momento, 422 pessoas com mais de 60 anos já foram vacinadas no país. 552 voluntários com idades entre 3 e 17 anos também foram vacinados.

No Brasil

No Brasil, está em andamento a terceira fase do teste do CoronaVac. Dos 9.000 profissionais voluntários da saúde, 5.584 receberam essa dose até o dia 21 de setembro. Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, disse que o teste deve ser ampliado para 13 mil voluntários no país.

Veja Mais: Coronavírus | Quanto tempo deve demorar até a gente ter uma vacina

O responsável disse que esta expansão foi aprovada pela Anvisa. Esses testes devem incluir pessoas consideradas de risco, como idosos e crianças.

Xing Han, representante do Laboratório Sul-americano da Sinovac, participou de uma coletiva de imprensa e disse que os resultados finais da terceira fase devem ser divulgados “dentro de um ou dois meses”.

Eficácia

No entanto, Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, destacou que a eficácia da vacina só pode ser comprovada após a terceira fase de implantação no Brasil.

“Além de afirmarmos que não houve efeitos adversos graves, nós ainda não temos os dados disponíveis em relação a eficácia. A eficácia será incluída uma vez que terminada a inclusão dos 9 mil voluntários com duas doses vacinais“, afirmou Covas.

A partir do dia 15 de outubro, poderemos observar o surgimento dos dados de eficácia, que permitirão o registro da vacina na ANVISA.

A Sinovac iniciou também um estudo de fase 3 na Turquia e isso vai corroborar o processo de registro dessa vacina no mundo”, completou o diretor.

Produção da vacina Coronavac

Até dezembro, o Instituto Butantan receberá 46 milhões de doses do Coronavac, das quais 6 milhões de doses da vacina estão disponíveis. Estima-se que 15 milhões de doses da droga chegarão até fevereiro de 2021.

A vacina desenvolvida pela Sinovac Life Science é uma das vacinas mais promissoras do mundo, pois utiliza tecnologia já conhecida do Instituto Butantan e é amplamente utilizada em outras vacinas.