Alimentos para garantir a imunidade das crianças

Alimentos para garantir a imunidade das crianças

As crianças têm maior probabilidade de adoecer porque o sistema imunológico não está totalmente desenvolvido nesta fase da vida. Felizmente, alguns alimentos podem fortalecer as defesas do corpo e garantir a saúde das crianças.

O sistema imunológico começa a se desenvolver durante a gravidez e é considerado imaturo – o mais importante, até os quatro anos de idade, e só está totalmente preparado no início da puberdade.

O sistema imunológico começa a se desenvolver durante a gestação, até os quatro anos de vida é considerado imaturo, e só estará pronto na adolescência.

É por isso que as crianças adoecem facilmente. Estima-se que crianças normais terão doenças respiratórias virais 9 vezes por ano. Durante a idade escolar, a convivência com outras crianças se intensifica, e a exposição a microrganismos, esse número pode chegar a doze ou treze.

Mas não é só isso: é só uma mudança de clima, uma ida à praia, umas horas no ar condicionado, brincar com os pés no chão ou sentir cheiro forte a cigarro – no caso de pais fumantes, para que os pequenos permanecem em risco de saúde.

Além de vital para o crescimento, a alimentação também é uma forma fácil de prevenir as crises, pois um cardápio diversificado e rico em todas as categorias de alimentos é um dos pilares para o desenvolvimento e manutenção de um sistema imunológico fortalecido.

As vitaminas e minerais consumidos diariamente protegem as defesas do organismo e realizam a síntese necessária para a produção de células e tecidos. Portanto, a recomendação é estimular o consumo dos seguintes alimentos:

Alimentos para garantir a imunidade das crianças
Créditos da imagem Pexels

Frutas e vegetais: uma dieta rica em frutas e vegetais pode fornecer os nutrientes e vitaminas de que o organismo necessita para o seu funcionamento normal.

Grãos, cereais, sementes e castanhas: Rico em fibras; vitamina E, que auxilia na regeneração dos tecidos, especialmente no caso de vírus, gripes e resfriados, e zinco, que também desempenha um papel fundamental na imunidade.

Iogurtes e laticínios:  Esses itens são ricos em cálcio; probióticos; vitamina A, que é importante para a formação de ossos, dentes, cabelo, tecido da pele, membranas mucosas e membranas oculares; complexo de vitamina B; uma das funções da vitamina C é estimular a produção de glóbulos brancos, o que é importante para a imunidade O sistema é essencial, e a vitamina D pode promover o crescimento e o fortalecimento dos ossos.

Proteínas: Carnes brancas e vermelhas com baixo teor de gordura, bem como legumes como feijão, grão de bico, lentilha e soja, são fontes de energia para manter o corpo forte contra infecções e vírus.

Leite materno: Por até seis meses de vida, o leite materno deve ser consumido integralmente. Isso porque contém substâncias que atuam no sistema imunológico das crianças, além de proporcionar um equilíbrio perfeito entre gorduras, carboidratos e proteínas. Esse benefício tem impacto não apenas durante a amamentação, mas também ao longo da vida.

A dica é oferecer alimentação saudável e, ao mesmo tempo, minimizar o consumo de alimentos industrializados, que provavelmente desencadeiam a obesidade infantil e as comorbidades na vida adulta.

Uma boa dica é usar sua criatividade para despertar o lado lúdico de seu bebê e torná-lo mais fácil de manter. Sopas, sucos e preparações funcionais (bolos, sobremesas, lanches) são opções interessantes e saudáveis.

O estímulo ao interesse por um estilo de vida saudável pode e deve começar cedo. Além de comer normalmente, é importante que a criança conheça os benefícios da alimentação e desperte a curiosidade para experimentar novas opções.

Nesse sentido, é importante apoiar toda a família, afinal dar o exemplo é a melhor forma de educar os mais novos. Quando os alimentos ricos em gorduras, açúcares e carboidratos costumam estar em casa e são consumidos constantemente pelos pais, as chances de despertar o interesse por esses alimentos.

Contar com a ajuda de um nutricionista é uma ótima alternativa para personalizar seu cardápio diário, além de aprender a lidar com acessos de raiva e resistências – comportamento comum nesta fase.

A baixa imunidade tem um sério impacto na qualidade de vida das crianças. Além dos problemas acima mencionados, podem ocorrer diarreia, seborreia, micoses da pele ou problemas de crescimento.

Nesse caso, a família deve fazer um exame minucioso para saber se existe, por exemplo, uma imunodeficiência.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: