Anticorpo capaz de impedir que câncer de mama se espalhe é descoberto

Autor(a):

O câncer de mama é um dos cânceres mais comuns em mulheres em todo o mundo e um dos tipos de câncer mais estudados.

Tumores que se originam nos ductos mamários são chamados de câncer de mama e têm um bom prognóstico em comparação com outros subtipos.

Vários estudos foram realizados em todo o mundo para entender os fatores associados ao desenvolvimento e progressão do tumor de mama, incluindo fatores de estilo de vida, como idade, menopausa, dieta e atividade física.

A associação entre obesidade e vários tipos de câncer tem sido extensivamente estudada. O efeito da obesidade no risco de câncer de mama permanece controverso.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), estima-se que em 2020 ocorram 2,3 milhões de novos casos de câncer de mama em todo o mundo. Só no ano passado, a doença matou 684.996 pessoas.

O câncer afeta o bem-estar emocional dos pacientes e suas famílias de maneiras muito importantes. Diante de um diagnóstico de malignidade, as pessoas respondem de maneiras muito diferentes, dependendo de sua personalidade e do que o câncer significa para elas.

Câncer de mama: a busca pela cura

Para todas essas doenças, existem muitos estudos em busca de curas. Recentemente, um deles fez uma descoberta muito interessante.

Pesquisadores italianos descobriram um anticorpo que impede a propagação do câncer, salvando milhões de vidas. A medicina deu um grande e maravilhoso passo à frente.

Um estudo liderado pelo University Hospital Campus Biomedicine (UCBM) em Roma, Itália, conseguiu impedir o desenvolvimento de metástases ósseas de câncer de mama graças a um anticorpo monoclonal.

Esse tipo de metástase pode fazer com que o câncer reapareça mesmo após o término da cirurgia e da terapia adjuvante.

De acordo com informações disponíveis no site da UCBM, o estudo foi realizado pelo Dr. Francesco Pantano do Departamento de Oncologia Médica do Hospital, liderado pelos Professores Giuseppe Tonini e Daniele Santini, em colaboração com o Prof. Philippe Clézardin foi possível graças ao trabalho de grupos de pesquisa do Instituto Curie de Paris e da Universidade de Hamburgo (Alemanha).

“Nosso esforço é entender melhor os diferentes mecanismos biológicos para oferecer aos pacientes tratamentos cada vez mais direcionados”, disse o Dr. Francesco Pantano.

A equipe realizou uma extensa triagem dos genomas de pacientes com câncer de mama e conseguiu identificar a proteína integrina α5 como um dos fatores mais importantes envolvidos no processo de metástases ósseas.

“A proteína alfa5 é o “gancho” que as células cancerígenas ligam à fibronectina, que está altamente presente no microambiente esquelético. Foi bloqueado pelo Volocixamab, que bloqueou ambas as moléculas e impediu que o tumor se espalhasse para o osso. Os resultados também são muito promissores porque a droga do anticorpo é segura, testada e não tóxica.”.

Como resultado, o processo de experimentação humana será mais curto e os pacientes poderão ter melhor bem-estar e maior expectativa de vida.

Experimentos que demonstram a alta eficácia do Volociximab na prevenção de novas metástases ósseas foram realizados primeiro em um modelo in vitro e depois in vivo no Campus Biomedicine da Universidade de Roma e no Laboratório de Oncologia Translacional do Inserm em Lyon.

Essa descoberta possibilita novas abordagens contra a doença

Segundo o Dr. Francesco, o estudo mostra mais como cada tumor funciona de acordo com uma estratégia específica.

O foco agora será em entender melhor os diferentes mecanismos biológicos para que os pacientes possam ter acesso a tratamentos cada vez mais eficazes.

Embora os resultados sejam muito positivos, o câncer continua sendo uma doença mortal para muitos pacientes, explicou o médico.

Metástases ósseas sensoriais podem ocorrer mesmo anos após o término do tratamento.

%d blogueiros gostam disto: