Antiviral molnupiravir é eficaz contra variantes do covid-19 garante estudo

0
14

O antiviral molnupiravir apresentou resultados de testes feitos em laboratório do remédio que impede a reprodução do vírus da covid-19

Estudos de laboratório demonstraram que um medicamento antiviral oral experimental molnupiravir para MSD (Merck & Dohme) Covid-19 é eficaz contra variantes conhecidas de coronavírus, incluindo o vírus delta de alta circulação que domina o mundo. A empresa anunciou os resultados preliminares na quarta-feira (29).

Jay Grobler, chefe do Departamento de Doenças Infecciosas e Vacinas da Merck disse que, como o molnupiravir não tem como alvo a proteína viral do pico – o alvo de todas as vacinas Covid-19 atuais – que determina as diferenças entre as variantes, o medicamento deve ser tão eficaz quanto o vírus continua a evoluir.

Em contraste, os medicamentos antivirais têm como alvo a polimerase viral, que é uma enzima necessária para a reprodução do vírus. A droga foi projetada para funcionar introduzindo erros no código genético do vírus.

A farmacêutica disse que os dados sugerem que o medicamento é mais eficaz quando utilizado nas fases iniciais da infecção.

Leia mais sobre:

A Merck testou o antiviral em amostras de swabs nasais coletadas de participantes do primeiro teste do medicamento. O Delta ainda não é amplamente divulgado, mas o monelavir foi testado em amostras de laboratório desta variante, que é responsável pelo recente aumento no número de hospitalizações e mortes por Covid-19.

A empresa americana anunciou que realizou um estudo menor no início deste ano e descobriu que, após cinco dias de tratamento com molnupiravir, nenhum dos pacientes que tomaram a dose do medicamento testou positivo para o vírus infeccioso. 24% dos pacientes que receberam placebo tiveram níveis detectáveis .

A Merck está atualmente conduzindo dois estudos de Fase III do medicamento antiviral, um para o tratamento de Covid-19 e outro para a prevenção de infecções. Grobler disse que a pesquisa deve terminar no início de novembro.

O estudo foi conduzido em pacientes infectados que não precisam ser hospitalizados, mas apresentam sintomas por menos de cinco dias e estão em risco de desenvolver a doença e agravar-se.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui