63% dos municípios já vacinaram adolescentes

Combinações de diferentes vacinas Covid-19 podem ser benéficas e gerar uma resposta maior

A falta de vacinas AstraZeneca fez com que os estados do Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP) utilizassem uma combinação de diferentes vacinas, como a Pfizer, na vacinação contra a Covid-19.

Esta estratégia baseia-se em dois tipos de vacinas, sendo que o resultado mais famoso provém do estudo da chamada “vacinação heteróloga” ou “intercambiabilidade vacinal”.

O que se sabe sobre a combinação de diferentes vacinas

vacina Sputnik V

  • A AstraZeneca estudou mais combinações de vacinas e usa a tecnologia de “vetor viral”, que se baseia em um vírus modificado que introduz parte do material genético do coronavírus no corpo e induz proteção.
  • Desde fevereiro de 2020, pesquisadores da Universidade de Oxford vêm estudando essas combinações.
  • A primeira pesquisa é chamada de “Com-COV1” e é uma combinação da AstraZeneca e da Pfizer entre 850 voluntários com mais de 50 anos.
  • Em comparação com o regime completo da AstraZeneca, a combinação da primeira dose de AstraZeneca e a segunda dose de Pfizer produziu mais anticorpos e células T.
  • Na Espanha, o estudo CombiVacs do Instituto Carlos III de Saúde coletou 676 pessoas com idades entre 18 e 59 anos. Os resultados publicados em maio mostraram que a combinação de AstraZeneca e PFizer mais que dobrou os anticorpos produzidos pelas duas doses de AstraZeneca.
  • Na Coreia do Sul, um estudo com 499 profissionais de saúde no final de julho concluiu que a combinação de AstraZeneca e Pfizer produziu níveis seis vezes maiores de anticorpos neutralizantes.
  • Na Alemanha, a chanceler Angela Merkel, de 66 anos, recebeu a primeira dose do AstraZeneca e depois a segunda dose do Moderna: depois que o país recomendou que o AstraZeneca fosse usado apenas para pessoas com mais de 60 anos, o objetivo é Incentivar novas estratégias de vacinação anos. Moderna também usa a tecnologia de RNA mensageiro (mRNA), que pode codificar a proteína S da coroa do vírus e introduzi-la no corpo com a ajuda de nanopartículas de gordura para induzir a proteção natural do corpo.
  • Pesquisas subsequentes na Dinamarca descobriram que o programa AstraZeneca / Pfizer reduziu o risco de infecção em 88%, o que equivale a 90% do programa Pfizer sozinho.
  • No Brasil, desde o final de junho, as mulheres grávidas em uso de AstraZeneca podem tomar uma segunda dose de Pfizer.
  • Em julho, o Ministério da Saúde (MS) anunciou um estudo para avaliar se as pessoas vacinadas com o CoronaVac precisam de uma terceira dose: portanto, o objetivo é avaliar a eficácia dos reforços com diferentes imunizantes. Os resultados ainda não foram anunciados.

Mistura com a Sputnik V

Devido a problemas com o abastecimento do Sputnik V, os países latino-americanos tiveram que adotar uma estratégia semelhante. Os imunizadores russos também usam vetores virais.

Por exemplo, na Argentina, a Ministra da Saúde Carla Vizzotti anunciou no início de agosto que os resultados preliminares mostraram que a combinação do Sputnik V e do AstraZeneca havia alcançado resultados “satisfatórios” e “encorajadores”.

Em outras palavras, as preparações imunológicas do Sinopharm também foram testadas, mas ainda não há uma “conclusão conclusiva”.

%d blogueiros gostam disto: