Coronavírus | As diferentes evoluções,casos sem sintomas, leves e graves

0
165
Coronavírus
geralt / Pixabay

Você deve ter ouvido falar que o coronavírus (Sars-Cov-2) não afeta a todos igualmente. Mas qual é a possível evolução do Covid-19 e seus respectivos sintomas?

O médico francês Ramy Ramhé é um pesquisador de pós-doutorado da Universidade de Paris e usou seu confinamento em Nova York (EUA) para fazer um gráfico, o que foi confirmado por vários estudos, que resume as principais razões por trás dessa pandemia Forma de doença.

O material é amplamente distribuído nas redes sociais dos profissionais de saúde, enfatizando que a maioria das pessoas infectadas é assintomática ou apresenta sinais leves a moderados e não requer hospitalização. Por outro lado, isso indica que em casos críticos que requerem UTI e ventilação, a taxa de mortalidade em alguns locais atingiu 50%.

Em todos os níveis de gravidade, a latência média do Sars-Cov-2 é a mesma: leva cinco dias desde o início dos sintomas até o início dos sintomas ou imunidade. Veja a versão traduzida e adaptada no gráfico abaixo:

Agora, os dados disponíveis para o novo coronavírus estão sendo atualizados constantemente, não apenas porque conhecemos apenas recentemente esse inimigo saudável. Além disso, a situação em cada país interfere na taxa de mortalidade da doença. Em outras palavras, os números acima podem variar de pesquisa para pesquisa – variam de região para região. Portanto, conversamos com especialistas para entender melhor as diferentes evoluções do problema:

Os casos assintomáticos de coronavírus

Essa é a fatia mais difícil de calcular. O governo chinês estima que 30% das transportadoras no país não apresentam sintomas. Em um artigo no Journal of Infectious Diseases, pesquisadores japoneses confirmaram esse percentual ao avaliar os residentes que retornam da China.

Mas a literatura sobre o assunto também fornece outros dados. “Estima-se que 5% a 80% das pessoas positivas para Sars-CoV-2 possam ser assintomáticas”, comentou Tânia Vergara, presidente da Sociedade de Doenças Infecciosas do Rio de Janeiro.

Para obter estimativas precisas, é necessário testar a população mundial em larga escala. Adriano Massuda, professor da FGV-EAESP e pesquisador da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, comentou: “Nas atuais circunstâncias, existem exames insuficientes, o que não podemos fazer”.

É sabido que as pessoas infectadas podem espalhar doenças por até 14 dias após a infecção, mesmo sem tossir ou espirrar. No entanto, a intensidade é 50% menor que a intensidade sintomática.

Mesmo assim, um estudo recente sugere que eles podem causar dois terços de todas as infecções. Portanto, a importância do isolamento social universal “, afirmou Tania.

Os casos leves e moderados

Eles podem cobrir a maioria dos casos Covid-19. Eles têm febre, tosse seca, dor de cabeça, cansaço e dificuldade em respirar. Além dos pacientes assintomáticos, eles também são incluídos nas estatísticas de mais de 80% da população infectada que necessitam de hospitalização.

Aqui, esses desempenhos apareceram em média cinco dias após a exposição ao vírus e continuaram por mais uma semana. Em alguns casos, a deterioração tardia pode levar a um tempo de recuperação de aproximadamente 14 dias.

Estudos demonstraram que pessoas nesta categoria podem espalhar o vírus por 21 dias após a infecção. Leonardo Weisman, cientista de doenças infecciosas da Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas, comentou: “Acredita-se que pacientes com sintomas óbvios tenham uma carga viral mais alta e, portanto, possam se espalhar por mais tempo”.

Se houver suspeita de um caso leve ou moderado, a situação ideal é fortalecer o isolamento social, beber bastante água e monitorar os sintomas. O Ministério da Saúde fornece um aplicativo móvel e um canal telefônico, você pode ligar gratuitamente em caso de dúvida: 136.

Os casos graves e críticos de coronavírus

Estima-se que 15% dos pacientes apresentem sintomas graves e necessitem de internação para oxigenoterapia, às vezes na UTI. O tempo de recuperação é mais longo e o vírus se espalha mais. Segundo um estudo publicado na The Lancet Infectious Disease, o Sars-Cov-2 pode ser detectado no corpo até 25 dias após a infecção.

Uma pesquisa com mais de 70.000 chineses publicada pelos Centros de Controle de Doenças do país no American Journal mostra que em certos grupos de risco, como idosos e pessoas com doenças cardiovasculares, a taxa de mortalidade de casos graves atinge 15 % Associação Médica.

No gráfico apresentado por Rahmé, ainda há espaço para casos críticos e há uma razão clara para isolá-los: mortalidade. De todas as infecções, 5% evoluirão para uma condição muito grave, que requer mais tempo na UTI e ventilação mecânica (ao usar respiradores artificiais para realizar o trabalho pulmonar). Nesta pequena parte, a taxa de mortalidade chegará a 50%, dependendo da idade.

Uma taxa de mortalidade tão alta foi observada em pacientes muito graves em Seattle, EUA, e foi usada em um relatório da instituição britânica Imperial College London.

Geralmente, a morte ocorre após o 21º dia de infecção, ou seja, a pessoa está internada há duas semanas. Weisman enfatizou: “A recuperação dos sobreviventes pode levar até seis semanas”. A propósito, esse grupo de pessoas descarregou o vírus há muito tempo – um estudo chinês até descobriu novo na circulação 37 dias após a infecção Coronavírus.