Diferença de Hiperglicemia x Hipoglicemia

Saber se o índice glicêmico está acima ou abaixo do valor ideal é essencial para garantir o bom funcionamento do organismo. Felizmente, por meio de bons hábitos, os problemas podem ser evitados ou até revertidos.

Simplificando, a nada mais é que a glicose presente no sangue. Essa concentração é controlada por hormônios, entre eles a famosa insulina produzida pelo pâncreas.

A proporção pode variar devido a vários fatores – inclusive alimentos (consumo de doces, massas, frituras, etc.), quando o valor de referência está entre 70 e 100 mg / dL com o estômago vazio, a proporção é considerada normal. No entanto, menos ou mais alterações são frequentes e merecem atenção especial.

pexels-photo-1001897 Diferença de Hiperglicemia x Hipoglicemia
Créditos da imagem Pexels

HIPOGLICEMIA

O é considerado uma das principais fontes de energia do corpo. Quando o nível é insuficiente, ou seja, inferior a 70 mg / dL, podem ocorrer as seguintes situações:

  • Tremores;
  • Tonturas;
  • Palidez;
  • Suor frio;
  • Taquicardia;
  • Dor de cabeça;
  • Sonolência;
  • Confusão mental e alteração no nível de consciência;
  • Perturbações visuais e de comportamento.

As principais causas de hipoglicemia incluem:

  • Excesso de insulina produzida pelo pâncreas;
  • Uso incorreto de alguns medicamentos;
  • Tumor no pâncreas;
  • Ingestão exagerada de álcool;
  • Deficiência hormonal.

Os quadros de hipoglicemia podem ser divididos em (antes e depois das refeições, respectivamente). Além disso, a hipoglicemia é comum em pacientes diabéticos devido às flutuações nos níveis de açúcar no corpo.

Nestes casos, é necessário acompanhamento individual para cálculo da dose de insulina indicada e orientação sobre alimentação.

Diante de uma crise de hipoglicemia, o segredo é comer uma colher de mel, um copo de suco de laranja ou mesmo uma colher de açúcar dissolvido em meio copo de água.

Os diabéticos devem medir o açúcar no sangue cerca de 15 minutos depois de comer e, em seguida, comer lanches saudáveis.

Felizmente, alguns hábitos simples podem ajudar muito a evitar crises. Refeições pequenas e frequentes, ingestão de fontes de açúcar e proteínas antes de dormir e acompanhamento nutricional, principalmente se o paciente for bom em atividades físicas, são essenciais.

HIPERGLICEMIA

Ao contrário da hipoglicemia, esse problema é caracterizado por muito açúcar no sangue. Também aqui os hábitos de vida são considerados decisivos, porque a ingestão ilimitada de carboidratos, associada ao estresse excessivo, são incentivos importantes.

A relação é considerada expressiva quando ultrapassa 110 mg / dL com o estômago vazio e 200 mg / dL duas horas após a refeição. Existem dois fatores que podem confirmar a hiperglicemia:

  • A produção insuficiente de insulina no sangue pode prejudicar a absorção de glicose. Geralmente é comum em pacientes com diabetes tipo 1.
  • A resistência à insulina celular é comum em pacientes com diabetes tipo 2 ou síndrome metabólica.

Os níveis elevados de açúcar no sangue reverberam na urina, aumentando o volume urinário e a vontade de urinar, o que pode levar a mais sede. Além disso, outros sinais podem indicar uma condição de alto açúcar no sangue. eles são:

  • Boca seca (xerostomia);
  • Aumento da fome e perda de peso;
  • Fadiga;
  • Dor de cabeça
  • Visão turva;
  • Enjoo;
  • Cansaço

Se o paciente não estiver bem, após jejum de glicose no sangue, hemoglobina glicosilada ou urinálise confirma que o índice glicêmico mudou, ele deve procurar ajuda profissional para determinar se é pré-diabetes ou pré-diabetes.

Se não for controlada, esta doença pode causar complicações no coração, olhos, artérias, rins e nervos, e pode até levar à morte.

Porém, é importante ressaltar que o aparecimento de hiperglicemia não significa que o indivíduo tenha diabetes.

Devido à alimentação inadequada, podem ocorrer casos pontuais, desde que não sejam frequentes.

Para evitar esse problema e garantir uma proporção saudável, as dicas são seguir uma dieta adequada, informar o médico sobre os medicamentos e tomá-los no horário determinado, dormir bem, controlar o estresse e, claro, monitorar regularmente o açúcar no sangue.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: