Enxerto de pele: quando usar?

A pele é o órgão que cobre nosso corpo e uma barreira para o mundo ao nosso redor. Dessa forma, nos protege do contágio e também das condições do ambiente interno. Algumas lesões de pele são tão extensas ou complexas que requerem o uso de enxerto de pele para tratá-las.

Este tipo de tratamento cirúrgico é projetado para fornecer integridade tecidual. Desta forma, a estrutura subjacente é protegida e o papel de barreira desempenhado pela pele é garantido. No final, não apenas os danos causados ​​pela lesão são cobertos, mas também é feita uma tentativa de criar um efeito estético. A seguir, vamos falar mais sobre isso.

O que é um enxerto de pele?

Um enxerto de pele é um pedaço de pele obtido cirurgicamente. Nele, o fragmento referenciado é completamente separado de uma área do corpo (chamada de doador) e então transplantado para o local receptor, local da lesão ou lesão.

A partir do momento em que se separa da área doadora, o enxerto perde fluxo sanguíneo. Por esta razão, o tecido receptor deve ser capaz de fornecer um suprimento sanguíneo adequado. Desta forma, a pele enxertada pode ser revascularizada para que possa sobreviver em sua nova localização.

enxerto de pele
O enxerto de pele permite a recuperação da função de barreira cutânea em caso de lesões graves.

Camadas da pele

Para entender o tipo de enxerto de pele presente, é necessário entender as camadas histológicas da pele. A epiderme é a camada mais externa. A estrutura em si não possui vasos sanguíneos e recebe seu suprimento sanguíneo de partes mais profundas da pele. Portanto, apenas o enxerto epidérmico falha e, portanto, não tem utilidade.

Por outro lado, a camada mais profunda da pele é a derme. Por sua vez, pode ser dividida em duas partes: derme papilar e derme reticular. A primeira camada é a mais superficial, de modo que seus vasos sanguíneos nutrem a epiderme sobrejacente. Abaixo da derme está o tecido subcutâneo, que é rico em gordura.

Tipos de enxerto de pele

A classificação mais utilizada nos enxertos de pele depende da espessura da pele envolvida. Geralmente, dois tipos são aceitos: enxertos de pele de espessura parcial e enxertos de pele de espessura total.

  • Enxertos de espessura parcial: A espessura é variável, mas deve sempre conter uma porção de couro genuíno. Desta forma, garante-se a doação de elementos necessários à regeneração celular e nutrição da epiderme sobrejacente. Dependendo da espessura da derme envolvida, a espessura desse tecido pode ser mais ou menos fina.
  • Enxertos de espessura total: Os fragmentos de pele fatiados continham a epiderme e toda a derme. O tecido deve estar livre de gordura subcutânea para permitir a formação de novos vasos sanguíneos.

De acordo com a forma como se usa o enxerto de pele

Dependendo da necessidade de cobertura da lesão, o enxerto pode ser contíguo, ou seja, composto por um ou vários fragmentos, que, quando conectados, podem cobrir toda a perda de material.

Da mesma forma, existem enxertos cutâneos descontínuos em que as lesões não são totalmente cobertas. Estes incluem as seguintes opções:

  • Malha de Tanner e Vandeput.
  • Enxerto multifragmentado.
  • Enxerto em faixas de Trueba.
  • Selos de Gabarro.
  • Enxerto de Davis ou de pastilha.

Situações especiais

Escolher um enxerto em detrimento de outro responde a várias perguntas. A localização da perda de material é crítica, assim como a escolha do local doador.

Da mesma forma, a extensão da lesão permitirá a consideração de diferentes tipos de enxertos. Ao mesmo tempo, a causa da perda de material ajuda o cirurgião a escolher a espessura mais adequada.

Características dos enxertos de pele

Dependendo da espessura dos fragmentos, cada tipo de enxerto apresenta algumas vantagens sobre os demais. Além disso, o tecido lesado também desempenha um papel importante na “tomada” do enxerto, ou seja, para o sucesso da técnica. Descreveremos alguns dos recursos que você precisa considerar abaixo.

Doador e receptor

Devido à alta antigenicidade da pele, os enxertos de pele só podem ser derivados da própria pessoa. Isso ocorre porque o sistema imunológico não pode reconhecer outros elementos além de si mesmo. Como resultado, é desencadeada uma resposta imune que, em última análise, rejeita o tecido transplantado.

Esse tipo de transplante – no qual o doador e o receptor são a mesma pessoa – é chamado de “transplante autólogo”. No entanto, em alguns casos (como queimaduras graves) é útil usar enxertos de pele de carcaças ou mesmo de porcos.

Condições do tecido doador

A escolha do local do enxerto de pele deve ser criteriosa para garantir os melhores resultados. Portanto, os detritos geralmente vêm de locais próximos à lesão. Em geral, as recomendações são as seguintes:

  • Ter coloração semelhante ao local receptor.
  • No caso de ressecção tumoral, recomenda-se selecionar o membro contralateral para retirada do enxerto.
  • O tecido deve estar livre de infecção.
  • Sugere-se que a textura e a distribuição dos pelos corporais sejam semelhantes entre os dois locais (doador-receptor).

Condições do tecido lesionado

O leito receptor é a base sobre a qual o enxerto de pele deve ser aderido. Deve ter vasos sanguíneos abundantes para que o novo tecido sobreviva. No entanto, a presença de infecção ou sangramento reduz a taxa de sucesso, por isso é necessário tratá-lo primeiro.

Situações em que o enxerto de pele é útil

Embora represente uma solução para lesões cutâneas complexas, nem todas as partes do corpo permitem que os enxertos de pele sejam a melhor opção. Apesar deste problema, os principais casos em que são utilizados são os seguintes:

  • Grandes queimaduras;
  • Feridas extensas;
  • Ressecção de tumores cutâneos;
  • Úlceras em membros inferiores;
  • Danos em áreas mucosas;
  • Fasciotomias;
queimadura cuidados
Os enxertos de pele só podem vir da própria pessoa; caso contrário, ocorre uma resposta imune que rejeita o tecido.

Cicatrização da lesão

Além de proporcionar vascularização tecidual, o leito receptor também pode gerar retração em um enxerto de pele, principalmente se for de espessura parcial. Por isso, os enxertos de espessura total são indicados para áreas estéticas como a face, pois proporcionam melhor cobertura e menor retração.

Por outro lado, quando a perda de material é muito extensa, é mais apropriado utilizar fragmentos de espessura parcial, que também são descontínuos. Por exemplo, a tela pode triplicar o tamanho de um enxerto de pele contínuo. Isso aumenta o poder de cobertura dos detritos, embora represente uma estética menor.

Complicações do enxerto de pele

Como em qualquer tratamento cirúrgico, os enxertos de pele apresentam alguns riscos. Os mais comuns incluem o seguinte:

  • Hemorragias.
  • Hematomas.
  • Seromas.

Por outro lado, retração, cicatrização e alterações na pigmentação podem afetar a aparência final do enxerto de pele. Nesses casos, procedimentos dermatológicos adicionais podem ser recomendados para melhorar a aparência final.

Confira:Ouvir música todos os dias melhora sua saúde mental

%d blogueiros gostam disto: