Flora intestinal – Remédios caseiros para recompô-la

0
138

A flora intestinal, é composta por uma variedade de microrganismos que vivem no trato digestivo dos animais, é o maior reservatório microbiano

Manter uma flora intestinal ou microflora intestinal saudável é essencial para a saúde geral do corpo. A microflora intestinal possui propriedades antibacterianas, imunomoduladoras e protetoras da mucosa.

Composta por aproximadamente 100 milhões de microorganismos, a microbiota intestinal está na linha de frente da defesa do organismo.

Como a flora fica desequilibrada?

Disbiose é o nome cientifico para o desequilíbrio da Flora Intestinal. A disbiose ocorre quando a composição da flora intestinal ou a função que ela desempenha muda. Por exemplo, muitas vezes acontece que na disbiose, microrganismos nocivos (aqueles que podem fazer mal à saúde) estão presentes em quantidades maiores do que o normal. Esse desequilíbrio na flora intestinal pode ocorrer em certas circunstâncias, como ao tomar antibióticos ou quando você tem diarreia.

Principais condições que alteram a flora intestinal

Veja exemplos de condições relacionadas a mudanças na flora intestinal:

Diarreia

– Uso de Antibióticos

– Alimentação não balanceada

– Stress

Ansiedade

Para melhorar a sua flora intestinal, escolhemos estes 13 remédios naturais.

Exercício físico

Sabemos que existe uma relação direta entre o exercício físico e a saúde dos órgãos humanos. Como o intestino, não há diferença. Atividades regulares podem promover a biodiversidade da flora intestinal e aumentar o número de bactérias intestinais benéficas.

Fibras

Frutas e vegetais são ricos em minerais e nutrientes, que podem estimular o crescimento de bactérias intestinais saudáveis. A fibra é especialmente a principal fonte de alimento bacteriano saudável.

Os vegetais de folhas verdes contêm muitas fibras, que podem inibir o crescimento de bactérias nocivas. Em particular, maçãs, alcachofras e mirtilos são ricos em fibras e contêm altos níveis de pectina, que ajudam no crescimento de bifidobactérias e lactobacilos. Estas são duas bactérias que aumentam a imunidade e promovem a perda de peso.

Dormir

Sono insuficiente por duas noites consecutivas pode alterar significativamente a composição das bactérias intestinais, reduzindo os microrganismos em até 50%. A falta de sono está até relacionada à obesidade. Mas o oposto também é verdadeiro.

Embora os padrões de sono afetem nossa flora intestinal, a flora intestinal também pode afetar nossos padrões de sono. Estudos têm demonstrado que certos microrganismos ativam proteínas no intestino (chamadas TLR2). Essa proteína ajuda a regular a serotonina, que é o neurotransmissor responsável pelo humor, sono e apetite, e muitas outras doenças mentais.

Alimentos fermentados

Alimentos fermentados são alimentos modificados por microrganismos chamados probióticos porque fornecem uma série de bactérias saudáveis, como bactérias do ácido láctico, aos intestinos.

Alimentos fermentados incluem iogurte, chucrute, kombucha e kefir. As pessoas que comem muitos desses alimentos têm níveis mais elevados de lactobacilos benéficos e menos bactérias inflamatórias.

Elimine açúcar e alimentos processados ​da sua dieta

Açúcar e alimentos processados ​​são prejudiciais a todos os órgãos do corpo humano, incluindo a flora intestinal. Pelo contrário, eles não trazem nenhum benefício para a flora intestinal: os alimentos processados ​​causam alterações nas bactérias intestinais, que podem levar à obesidade e doenças intestinais.

Não tenha medo de sujeira

Vimos que nem todas as bactérias são ruins, inclusive as encontradas no solo. Portanto, limpeza e esterilização excessivas nem sempre são benéficas. Um estudo publicado na revista Pediatrics descobriu que crianças cujos pais apenas lavavam a chupeta em vez de fervê-la tinham menos probabilidade de ter eczema (acne).

Além disso, crianças com cães em casa têm menos impacto sobre as alergias, porque os cães e todas as suas bactérias irão melhorar a diversidade da flora intestinal das crianças. O fato é que um ambiente estéril não promove a biodiversidade de bactérias intestinais.

Reduza o estresse

Quando você está estressado, seu corpo libera adrenalina e esteróides naturais, que fornecem muita energia. Mas tenha cuidado. O estresse prolongado pode destruir as bactérias intestinais e aumentar o risco de infecção.

Coma mais alimentos ricos em polifenóis

Os polifenóis são ótimos para o corpo: reduzem o estresse oxidativo e a inflamação. Uvas, vinho tinto e cebolas são excelentes fontes de polifenóis.

Amamente seu filho 

O leite materno fornece ao seu bebê a melhor flora intestinal possível e mantém um peso saudável na idade adulta. Os primeiros anos de vida de uma pessoa são essenciais para o crescimento saudável das bactérias intestinais.

Pode-se dizer que doenças relacionadas a bactérias intestinais saudáveis ​​na idade adulta podem na verdade ser o resultado da exposição (ou falta de) bactérias intestinais no nascimento. É por isso que a amamentação é tão importante.

Parto Normal

O parto normal tem benefícios de longo prazo para o bebê e é muito importante para a formação de bactérias intestinais no bebê. As secreções vaginais estão cheias de bactérias e fornecem uma coleção inicial de microorganismos para bebês.

É por isso que os bebês nascidos de parto normal mostraram ter uma flora intestinal muito mais equilibrada.

Evite tomar antibióticos

Como todos sabemos, os antibióticos não são seletivos: eles matam todas as bactérias que entram em contato com eles, incluindo as bactérias benéficas. Os antibióticos podem tornar a flora intestinal estéril e muitas bactérias podem levar meses para recolonizar. Em alguns casos, a composição da flora muda permanentemente.

Evite o consumo exagerado de carne vermelha e outros produtos de origem animal

Comer grandes quantidades de produtos de origem animal promove o crescimento de bactérias que causam doenças cardíacas. De acordo com a pesquisa, comer grandes quantidades de gordura animal forçará o corpo a produzir mais bile, promovendo assim o acúmulo de colesterol.

Evite adoçantes artificiais

Há evidências crescentes de que adoçantes artificiais são prejudiciais às bactérias intestinais.