Gripe na gravidez

Gripe na gravidez – Cuidados e tratamento para proteger mães e bebês

A gripe durante a gravidez é um fator de risco para mães e bebês. Durante a gravidez, o metabolismo da mulher muda, tornando-a mais suscetível aos efeitos de um sistema imunológico enfraquecido, o que aumenta a probabilidade de sintomas graves e complicações mais sérias.

Para as crianças, as infecções podem prejudicar seu desenvolvimento, incluindo o aumento do risco de parto prematuro e de bebês com baixo peso e, em muitos casos, precisam fortalecer os cuidados com o recém-nascido.

Não é de se admirar que mulheres grávidas e mulheres no puerpério (até 45 dias após o parto) estejam entre as pessoas que têm prioridade na vacinação contra influenza, o que pode reduzir muito a chance de contrair influenza durante a gravidez.

Qual o risco de gripe na gravidez?

Créditos da imagem Freepik

Durante a gravidez, o corpo da mulher passa por muitas mudanças, que afetam diretamente a função do coração, pulmões e sistema imunológico. Em comparação com mulheres que não estão grávidas, elas têm maior probabilidade de desenvolver doenças mais graves.

Este estágio frágil começa no início da gravidez e pode durar várias semanas após o parto, portanto, deve-se tomar cuidado para aumentar a imunidade e reduzir a exposição a vários patógenos.

Quando os casos de influenza ocorrem durante a gravidez, as chances de sintomas graves e complicações são muito maiores, levando a taxas de hospitalização mais altas. Por exemplo, a febre alta é um desses sintomas, que pode estar relacionado ao desenvolvimento do sistema nervoso do bebê.

Outros efeitos negativos são a chance de perda fetal ou sequelas de alto risco, como o já referido nascimento prematuro e baixo peso.

Quando devo procurar atendimento médico?

Os sintomas mais comuns da gripe são febre acima de 38 ° C, dores no corpo, dor de cabeça, coriza, congestão nasal, náuseas e dor de garganta. Durante a gravidez, a intensidade pode ser alta e causar grande desconforto, sem falar nos riscos já comentados.

Portanto, é melhor avisar o seu médico assim que surgirem os primeiros sintomas, para medidas de precaução e monitoramento adequado. Então faz sentido seguir a imagem e acompanhar sua evolução.

Antes de falar sobre medidas preventivas e tratamento da gripe durante a gravidez, vale destacar os sintomas de uma emergência. Mulheres grávidas devem receber atendimento médico imediatamente:

  • dificuldade de respirar ou fôlego curto;
  • dor ou pressão na região do tórax e abdômen;
  • tontura e confusão mental;
  • convulsões;
  • dor muscular severa;
  • fraqueza excessiva;
  • febre e tosse que passam, mas voltam mais fortes;
  • febre que não cede;
  • interrupção da função excretora;
  • diminuição dos movimentos do feto.

Como acabar com a gripe na gravidez?

Agora que sabemos exatamente o que queremos evitar, é hora de aprender sobre a forma ideal de tratar a gripe durante a gravidez. Antes da gravidez, a mulher não vai pensar muito em tomar remédios, mas por se tratar de um bebê, até mesmo tomar remédios deve ser considerado com cuidado.

Mas antes disso, vamos citar algumas dicas de como evitar tal cenário. Afinal, prevenir é melhor do que remediar.

Vacina contra a gripe

Muitas pessoas questionam se a vacina contra a gripe é segura durante a gravidez. A boa notícia é que é uma forma eficaz e de baixo risco de prevenir a doença.

Com o passar dos anos, isso se tornou uma prática muito comum, com ótimos resultados, para que você possa usar a vacina a qualquer momento da gravidez.

Também é importante notar que as mães podem transmitir anticorpos aos bebês durante a gravidez e a amamentação, portanto, as vacinas também têm o potencial de prevenir doenças neonatais.

Medicamentos contra a gripe

Estudos têm demonstrado que nas primeiras 12 semanas de gravidez é recomendável evitar todos os tipos de medicamentos, período importante para a formação dos órgãos vitais dos bebês. Uma postura mais conservadora sugere que esse tempo pode ser estendido para 28 semanas.

Quando necessários, os medicamentos contra a gripe na gravidez são aqueles que têm efeitos específicos nos sintomas e são aprovados pelo seu médico. As atividades antipirética, analgésica e antialérgica estão entre as mais indicadas, mas a automedicação é fortemente recomendada.

Acompanhamento médico

Até a gripe comum pode causar preocupações durante a gravidez, mas o acompanhamento do médico ajuda a entender o tratamento correto e a manter o controle emocional, o que é muito importante tanto para a mãe quanto para o bebê.

Mantenha a calma e sempre contate o médico.Se você tiver alguma dúvida ou perceber a emergência acima, por favor, ligue para ele.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: