Injeção anticoncepcional Prós e contras

A injeção anticoncepcional, que funciona como a pílula anticoncepcional, é uma alternativa para mulheres que podem não ser capazes de tomar a pílula com frequência ou podem não se adaptar à pílula. Dependendo da composição anticoncepcional indicada pelo ginecologista, a injeção pode ser realizada mensalmente ou trimestralmente.

Como funciona o anticoncepcional injetável

A injeção contraceptiva deve ser administrada de acordo com a prescrição do médico e as instruções descritas no folheto informativo. Este método pode ser usado mensalmente ou trimestralmente dependendo da indicação, pois as composições são diferentes. Entenda melhor abaixo!

Injeção mensal

A injeção contraceptiva mensal contém uma combinação dos hormônios progesterona, que inibe a ovulação, e estrogênio, que estabiliza o endométrio.

Deve ser aplicado no 8º dia do ciclo ou a cada 30 dias, respeitando a data da primeira aplicação.

A margem de segurança para uma injeção a cada 30 dias é de 3 dias, o que significa que se houver algum atraso, a injeção pode ser até três dias antes da última injeção ou um mês após a última injeção.

Assim que a injeção contraceptiva mensal for suspensa, a fertilidade voltará ao normal em um curto espaço de tempo.

Injeção trimestral

Uma injeção trimestral contém apenas progesterona. Sua função é prevenir a ovulação e dificultar a passagem dos espermatozoides, pois aumenta a viscosidade do muco cervical (secreções naturais produzidas pelo colo do útero que podem ser eliminadas pela vagina).

A margem de segurança é de 7 dias e pode ser aplicada 7 dias antes ou três meses após a aplicação anterior.

Um de seus maiores benefícios é para mulheres que amamentam, pois essa alternativa às injeções é apenas de progestágeno e não é contra-indicada para mulheres que estão amamentando.

A desvantagem desse método é que leva mais tempo para retornar à fertilidade porque a liberação do hormônio progesterona é lenta no corpo.

Nota importante: os métodos anticoncepcionais podem apenas prevenir a gravidez, não infecções por doenças sexualmente transmissíveis. Portanto, há indícios de que o preservativo deve ser usado em todas as relações sexuais, mesmo quando se usam injeções anticoncepcionais ou outros métodos.

Como é aplicada a injeção anticoncepcional e quem é responsável pela aplicação?

A injeção é intramuscular, deve ser no braço ou nas nádegas (de preferência), deve ser administrada por um profissional de saúde e pode ser administrada em farmácias com uma clínica.

Existem efeitos colaterais?

Os efeitos colaterais comumente relatados por mulheres que usam este método estão relacionados à imprevisibilidade do ciclo menstrual (ou seja, o período de menstruação que pode se tornar desregulado), dor na mama, acne e ganho de peso. No entanto, deve-se enfatizar que cada organismo reage de maneira diferente aos medicamentos.

A injeção anticoncepcional é o método mais seguro?

pexels-photo-5207030 Injeção anticoncepcional Prós e contras
Créditos da imagem Pexels

A eficácia desse método anticoncepcional tem uma taxa de falha de apenas 0,2 por 100 mulheres por ano. Porém, o fato é que todos os métodos possuem uma margem mínima de falha que pode ser avaliada.

O tipo de anticoncepcional a paciente deve escolher junto com o seu ginecologista, verificando qual o mais adequado às suas necessidades.

Além das pílulas anticoncepcionais e injeções, existem outras alternativas anticoncepcionais, como DIUs de cobre ou prata ou medicamentos.

A maior diferença entre a injeção anticoncepcional e o DIU é sua composição e formas de aplicação. Como o DIU se torna um método mais invasivo – embora seja uma aplicação única por muito tempo – ele pode permanecer no útero por até 10 anos.

Quando a injeção anticoncepcional pode ser aplicada?

Após a gestação

Após o parto, a mulher pode receber uma injeção entre 21 e 28 dias após o nascimento do bebê. Se você está amamentando, apenas trimestralmente é permitido.

Após um aborto ou ingestão da pílula do dia seguinte

A injeção contraceptiva pode ser administrada imediatamente após o aborto ou após a ingestão da pílula do dia seguinte.

No dia em que para de usar pílula contraceptiva

Você também pode dar a primeira injeção no mesmo dia em que parou de usar a pílula anticoncepcional.

Atenção! Se você estiver tendo relação amorosa sem usar anticoncepcional, é necessário fazer um teste de gravidez antes da injeção.

Contraindicações da injeção anticoncepcional

Agora que você sabe como funcionam as injeções anticoncepcionais, suas vantagens e desvantagens e até mesmo como se comparam a outros métodos, é importante entender as contra-indicações.

As injeções são contra-indicadas nas seguintes situações:

  • Que têm risco de trombose e sobrepeso;
  • Mulheres com hipersensibilidade a algum componente da formulação da injeção;
  • Grávidas ou lactantes até 6 semanas depois do parto, no caso das injetáveis mensais;
  • Que possuem câncer de mama detectado recentemente;
  • Que tenham sangramento vaginal ou uterino anormal;
  • Mulheres que possuem intensas e graves dores de cabeça, com problemas neurológicos;
  • Que têm histórico de doenças no fígado;
  • Que tenham realizado cirurgia com imobilização prolongada;
  • Com histórico de doenças cardiovascular, trombose ou cardiopatia isquêmica ou valvar complicada;
  • A injeção também não é indicada para mulheres com diabetes com nefropatia, retinopatia, neuropatia ou diabetes com duração de mais de 20 anos;
  • Dentre outros fatores que podem ser identificados pelo(a) seu(sua) médico(a).

Consulte o seu ginecologista

Agora que você conhece melhor os anticoncepcionais injetáveis ​​e já esclareceu suas principais dúvidas, é hora de buscar a orientação de um ginecologista com base em seu histórico médico antes de aderir a esse método anticoncepcional.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: