Obesidade saiba quais são os principais tratamentos

0
434

A obesidade pode acontecer por muitas razões, incluindo dietas, um estilo de vida sedentário, fatores genéticos, uma condição de saúde ou o uso de certos medicamentos, fato é que assim como Ha muitas causas, Há também alguns tratamentos.

Hoje vamos te mostrar quais são os tratamentos para obesidade,mas antes vamos te falar os graus da obesidade.

IMC entre 25,0 e 29,9 Kg/m2: sobrepeso.

IMC entre 30,0 e 34,9 Kg/m2: obesidade grau I.

IMC entre 35,0 e 39,9 Kg/m2: obesidade grau II.

IMC maior do que 40,0 Kg/m2: obesidade grau III.

 

Tratamentos para obesidade

Várias opções de tratamentos para obesidade podem ajudar as pessoas a alcançar e manter um peso adequado.

Carregar o excesso de peso pode aumentar o risco de vários problemas de saúde. Perder peso pode ser frustrante e difícil, mas mesmo a perda de apenas 5% a 10% do peso corporal pode trazer benefícios significativos à saúde, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Para uma pessoa que pesa cerca 114 kg, isso significaria a perda de 5,7 a 11,4 kg. No entanto, uma pequena redução no peso é uma conquista importante.

Perder peso devagar e constantemente, por exemplo, 1 a 2 quilos por semana, costuma ser melhor do que perder muito rapidamente, porque é mais provável que ele fique desligado assim que a pessoa atingir o peso desejado.

Exercício e mudanças na dieta são ferramentas úteis de perda de peso. 

Para algumas pessoas, no entanto, elas não são eficazes. Neste caso, medicação ou cirurgia pode ser uma opção.

Às vezes, uma condição de saúde, como um problema hormonal, por exemplo, pode resultar em ganho de peso

Nesse caso, tratar o desequilíbrio pode ajudar a resolver o problema.

1 – Mudança da dieta

A mudança do estilo de vida, que compreende reeducação alimentar e atividade física, é a base do tratamento clínico da obesidade. Sem ela, dificilmente se atingirá uma perda de peso necessária para melhorar a saúde e, muito menos, essa perda será duradoura.

Alguns tipos de alimentos são mais propensos a levar ao ganho de peso. Alguns alimentos processados ​​contêm aditivos, como xarope de milho rico em frutose. Isso pode causar alterações no corpo que resultam em ganho de peso adicional.

Por isso, reduzir a ingestão de alimentos processados, refinados e prontos, ricos em açúcar e gordura, e aumentar o consumo de grãos integrais e outros alimentos ricos em fibras, como frutas e legumes frescos, por exemplo, pode ajudar a pessoa a perder peso.

Uma vantagem de uma dieta rica em fibras é que o corpo se sente cheio mais rapidamente, tornando menos tentador comer mais. Fibras também podem ajudar a reduzir o risco de várias condições relacionadas à síndrome metabólica.

A síndrome metabólica é uma condição que envolve vários problemas de saúde, incluindo diabetes tipo 2 , hipertensão arterial e problemas cardiovasculares. É mais comum em pessoas com obesidade .

Um médico ou nutricionista pode ajudar a sugerir uma estratégia e possivelmente um programa adequado de perda de peso.

Além disso,  uma dica importante é evitar fazer dietas

Tentar perder peso rapidamente por dietas com colisões acarreta os seguintes riscos:

  • Novos problemas de saúde podem se desenvolver.
  • Deficiências de vitaminas podem ocorrer.
  • É mais difícil conseguir uma perda de peso saudável.

Em alguns casos, um médico pode sugerir que uma pessoa com obesidade grave deve seguir uma dieta com baixo teor calórico. Um profissional de saúde deve monitorar essa estratégia para garantir que a pessoa permaneça segura enquanto segue a dieta.

2. Atividade Física

É importante considerar que atividade física é qualquer movimento corporal produzido por músculos esqueléticos que resulta em gasto energético e que exercício é uma atividade física planejada e estruturada com o propósito de melhorar ou manter o condicionamento físico.

O exercício apresenta uma série de benefícios para o paciente obeso, melhorando o rendimento do tratamento com dieta. Entre os diversos efeitos estão:

  • a diminuição do apetite;
  • o aumento da ação da insulina;
  • a melhora do perfil de gorduras;
  • a melhora da sensação de bem-estar e autoestima.

O paciente deve ser orientado a realizar exercícios regulares, pelo menos de 30 a 40 minutos, ao menos 4 vezes por semana, inicialmente leves e a seguir moderados. Estas atividades, em algumas situações, podem requerer auxílio de um profissional e ambiente especializado, sendo que, na maioria das vezes, a simples recomendação de caminhadas rotineiras já provoca grandes benefícios, estando incluída no que se denomina “mudança do estilo de vida” do paciente.

3. Medicação para perda de peso

Além desses, um dos tratamentos para obesidade indicados pelo médico, pode ser medicamentos para ajudar uma pessoa a perder peso.

No entanto, eles geralmente só fazem isso se:

  • mudanças dietéticas e exercícios não resultaram em perda de peso
  • o peso da pessoa representa um risco significativo para a sua saúde

Os Institutos Nacionais de Saúde observam que as pessoas devem usar medicação juntamente com uma dieta reduzida em calorias (2). 

Afinal, os remédios não substituem as mudanças no estilo de vida.

Os efeitos colaterais incluem sintomas gastrointestinais, como fezes gordurosas e aumento ou diminuição da defecação. Algumas pessoas relataram efeitos indesejados no sistema respiratório, músculos e articulações, bem como, dores de cabeça e outros.

4. Cirurgia

As operações bariátricas e metabólicas têm sido cada vez mais indicadas para o tratamento da obesidade e de suas doenças associadas.

As indicações atuais são: pacientes com Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 40 kg/m2 e pacientes com IMC maior que 35 kg/m2, que apresentem comorbidades (doenças agravadas pela obesidade e que melhoram com o tratamento eficaz) que ameacem a vida, tais como diabetes tipo 2, apneia do sono, hipertensão arterial, doenças do colesterol, doença coronariana, osteoartrites e outras.

Os pacientes com IMC acima de 35 kg/m2 são chamados de obesos grau 2 (acima de 40, obesidade grau 3) e o tratamento clínico, com mudanças de hábitos alimentares e prática de atividades físicas, associado a medicações tem chances de perda de peso e principalmente da manutenção do peso perdido a longo prazo, enquanto que os submetidos à cirurgia bariátrica tem ótima eficácia em termos de perda ponderal e controle das doenças associadas.

Aqueles pacientes portadores de obesidade grau 3 têm indicação cirúrgica após tentativas de tratamento clínico e comportamental sem a necessidade da presença de doenças associadas.

Já aqueles pacientes que tem IMC abaixo de 35, porém não tem doenças associadas, devem sem dúvidas, tentar o tratamento clínico antes, com chances de conseguir resultados razoáveis.

Manga gástrica 

O cirurgião usa uma manga gástrica para tornar o estômago menor.

Após a operação, uma pessoa não pode consumir mais do que uma xícara de comida durante cada sessão. Isso reduz significativamente a ingestão de alimentos.

Bypass gástrico

O procedimento permite que o alimento evite partes do sistema digestivo, por exemplo, especificamente a primeira parte da seção intermediária do intestino delgado. Pode também reduzir o tamanho do estômago.

Isso geralmente é mais eficaz do que os procedimentos restritivos. Mas há um risco maior de deficiências de vitaminas e minerais, já que o organismo não pode mais absorver tantos nutrientes.

Um médico pode recomendar cirurgia para uma pessoa que tenha um índice de massa corporal igual ou superior a 40, ou inferior a 40, caso tenha outros problemas de saúde.

Tratamento hormonal

O tratamento hormonal pode um dia ajudar as pessoas com obesidade. Os cientistas que publicaram um estudo em 2014 observaram que parte do sucesso da cirurgia bariátrica pode ser o impacto que ela tem sobre os hormônios intestinais (3).

Ou seja, aproveitar esses hormônios pode levar a novas opções não-cirúrgicas.

Além do mais, os pesquisadores sugerem que a combinação de certos hormônios pode fornecer uma terapia eficaz.

Riscos para a saúde e peso

A obesidade aumenta o risco de vários problemas de saúde. Por isso, são tão necessários os tratamentos para obesidade.

Algumas delas como diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e hipertensão, por exemplo, estão relacionados a síndrome metabólica.

Os riscos para a saúde que aumentam com a obesidade incluem:

Osteoartrite: ou seja, tensão adicional nas articulações pode levar à degeneração óssea e cartilaginosa.

Doença cardíaca coronária: A doença cardíaca se torna mais provável quando uma pessoa tem peso extra. Isso geralmente ocorre devido aos altos níveis de colesterol e ao peso extra, o que sobrecarrega o coração e os vasos sanguíneos.

mohamed_hassan / Pixabay

Doença da vesícula biliar: Consumir alimentos que são ricos em açúcar e gordura pode não levar necessariamente à obesidade, mas pode causar o fígado a produzir excesso de colesterol. Ou seja, pode resultar em cálculos biliares.

Hipertensão arterial: O excesso de tecido adiposo no organismo pode secretar substâncias que afetam os rins. Isso pode resultar em pressão alta ou hipertensão, por exemplo. O corpo também pode produzir insulina extra, e isso também pode elevar a pressão arterial.

Problemas respiratórios: podem ocorrer se o peso extra exercer pressão sobre os pulmões, reduzindo o espaço disponível para a respiração, por exemplo.

Vários tipos de câncer: De acordo com o CDC, 13 tipos de câncer se tornam mais prováveis ​​de ocorrer se uma pessoa tiver obesidade, incluindo câncer colorretal.

Apneia do sono: A redução de peso geralmente melhora os sintomas da apneia do sono (4).

AVC: A obesidade geralmente se desenvolve ao lado de um acúmulo de colesterol. Com o tempo, isso aumenta o risco de bloqueios nos vasos sanguíneos. Estes, por sua vez, podem levar a doenças cardíacas e derrame.

Diabetes tipo 2: Este é um aspecto fundamental da síndrome metabólica.

Para incentivar a perda de peso, você pode começar por diminuir o consumo de açúcar.