Categorias: Bemaisaúde

Vacina Sputnik V para Covid-19 é 91,6% eficaz

De acordo com resultados preliminares publicados na revista científica desta terça-feira 02 de fevereiro de 2021, a eficácia da vacina Sputnik V contra a Covid-19 é de 91,6%.

De acordo com resultados preliminares publicados na revista científica “The Lancet” nesta terça-feira (2), a vacina Sputnik V desenvolvida pelo instituto de pesquisas russo Gamaleya para o Covid-19 tem uma taxa efetiva de 91,6% contra a doença.

A vacina também funcionou em idosos: uma subanálise de 2.000 pessoas com mais de 60 anos mostrou 91,8% de sucesso nesse grupo. Também foi bem tolerado nesta faixa etária.

A vacina é a quarta vacina a ser publicada na revista, depois da Pfizer / BioNTech, Oxford / AstraZeneca e Moderna.

Isso significa que os dados foram revisados ​​e verificados por outros cientistas.

Veja Mais: Grávidas podem receber vacinas contra Covid-19

Estudos

Os pesquisadores mediram apenas casos sintomáticos da doença para calcular a eficácia da vacina.

Portanto, mais pesquisas são necessárias para determinar a eficácia das vacinas na prevenção da transmissão da covid-19.

Até o momento, a principal função do dispositivo imunológico desenvolvido contra o coronavírus é prevenir casos graves e mortes pela doença, mas não necessariamente impedir sua disseminação.

Outra observação dos cientistas é que o período de proteção proporcionado pela vacina ainda não pode ser determinado porque os dados foram analisados ​​cerca de 48 dias após a primeira dose.

Importação para o Brasil

O Sputnik V ainda não foi testado no Brasil, mas a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está analisando o pedido da União Química de ensaios da fase 3 no país.

Ou seja, na semana passada, a agência se reuniu com a União Química para falar sobre o Sputnik V.

A farmacêutica tem contrato de transferência de tecnologia de vacinas e poderá fabricá-la no Brasil.

Na última segunda-feira (1º), a empresa enviou nota ao Supremo Tribunal Federal (STF) informando que a empresa tem capacidade para entregar 150 milhões de doses do SputnikV até o final de 2021.

Rússia

Ainda de acordo com a farmacêutica, a Rússia se prepara para entregar 10 milhões de doses prontas para uso no primeiro trimestre, que podem ser entregues assim que a Anvisa aprovar o uso emergencial.

Até o momento, apenas duas vacinas foram autorizadas para uso emergencial e utilizadas no Brasil: Oxford e CoronaVac.
Tecnologia

O Sputnik V usa tecnologia de vetor viral. Nesta vacina, outro vírus (adenovírus, neste caso) absorve o RNA do material genético do coronavírus em nosso corpo.

No entanto, este adenovírus foi modificado para que não possa se replicar (reproduzir). Portanto, não causa a doença.

Para a Sputnik, cada dose de adenovírus é diferente: primeiro, é Ad26 (mesmo da vacina Johnson). O segundo é Ad5, que é mais comum. Ambos são adenovírus humanos.

Cientistas russos explicaram que, em comparação com o uso do mesmo vetor duas vezes, o uso de diferentes adenovírus pode ajudar a gerar uma resposta imunológica mais forte, pois reduz o risco de o sistema imunológico se tornar resistente ao vetor original.
Parcerias

Em meados de dezembro, a AstraZeneca, que cooperou com a Oxford University para desenvolver uma vacina, anunciou que também testaria o agente de imunização usado com a Sputnik V.

A vacina Oxford também é um vetor viral – ao contrário da vacina russa, ela usa adenovírus de chimpanzé como vetor (não causa doenças).

Além disso, o transportador usado no primeiro agente e no segundo agente também é o mesmo. No mês passado, a farmacêutica russa R-Pharm anunciou que espera iniciar os testes conjuntos neste mês de fevereiro de 2021.

Francisco Araújo

Postagens recentes

Chás poderosos para baixar o açúcar no sangue e controlar o diabetes

Chás poderosos para baixar o açúcar no sangue e controlar o diabetes

Comer alimentos ricos em açúcar e carboidratos aumenta os níveis de açúcar no sangue. Essa… Mais informação

16 horas ago
Fruta poderosa que baixa a glicose e fortalece a imunidade

Fruta poderosa que baixa a glicose e fortalece a imunidade

A lichia (Litchi chinensis), considerada uma fruta exótica de sabor adocicado, é nativa da China… Mais informação

2 dias ago
Dor nestas partes do corpo pode ser sinal de colesterol alto

Dor nestas partes do corpo pode ser sinal de colesterol alto

Conforme explicado em um artigo publicado no Times of India, as artérias bloqueadas fazem com… Mais informação

3 dias ago
%d blogueiros gostam disto: