Pular para o conteúdo

Infecções das glândulas salivares: causas e tratamento

As infecção das glândulas salivares ocorre quando bactérias ou vírus afetam a estrutura das glândulas salivares. Esses órgãos são responsáveis ​​por produzir saliva e segregá-la na boca através de dutos.

Além das centenas de glândulas menores encontradas em toda a mucosa oral, existem três pares dessas glândulas principais:

  • As glândulas parótidas em ambos os lados da face, abaixo e na frente das orelhas.
  • As submandibulares, que estão em cada lado, abaixo da mandíbula.
  • As sublinguais, que ficam embaixo da língua, na frente da boca.

A saliva ajuda a manter a boca limpa, lubrificada e saudável, além de ajudar na digestão, hidratando, decompondo e tornando os alimentos mais fáceis de engolir.

Uma infecção da glândula salivar pode alterar o fluxo salivar. Descubra o porquê, os sintomas e o que fazer sobre isso abaixo.

Principais sintomas

Pessoas com infecções das glândulas salivares podem apresentar os seguintes sintomas:

  • Boca seca;
  • Dor na boca ou no rosto;
  • Sabor desagradável ou estranho de forma constante;
  • Desconforto ou dor ao abrir a boca, mastigar e engolir;
  • Presença de pus.
  • Inchaço e vermelhidão na face, pescoço, abaixo e na frente das orelhas, na parte inferior da boca ou abaixo da mandíbula;
  • Febre, suor e calafrios.

Esses sintomas geralmente duram cerca de uma semana, embora pequenos inchaços possam durar mais. Isso dependerá da localização e gravidade da infecção.

A consulta imediata com um médico pode levar a um diagnóstico correto, pois esses sintomas são semelhantes aos de outras doenças; portanto, é necessária uma avaliação profissional para confirmar a condição.

glândulas salivares
As glândulas salivares têm dutos que despejam seu conteúdo na boca, que podem ser obstruídos.

Causas da infecção das glândulas salivares

Como já mencionamos, a infecção das glândulas salivares ou sialoadenite ocorre devido à presença de bactérias ou vírus. A colonização desse micróbio é mais comum quando o ducto de saída salivar está bloqueado, e ele se acumula na glândula, tornando-a mais vulnerável ao ataque bacteriano.

Entre as infecções virais das glândulas salivares, a caxumba é a mais comum, com maior incidência em crianças. Felizmente, com o uso da vacina MMR, sua frequência está diminuindo. Outros vírus, como o vírus Epstein-Barr (EBV), o vírus Coxsackie, o citomegalovírus (CMV) e o vírus da imunodeficiência humana (HIV), também podem causar inchaço das glândulas salivares.

Fontes bacterianas são mais comuns, especialmente em adultos. As bactérias que causam a infecção são geralmente aquelas da flora normal da boca, assim como alguns estafilococos. Geralmente são unilaterais e a inflamação é acompanhada de febre e dor.

Fatores de risco

Embora a causa final da infecção da glândula salivar seja o ataque bacteriano ou viral, existem condições que aumentam as chances dessas estruturas serem colonizadas por bactérias:

  • Obstrução ou redução do fluxo salivar devido a tumores, cálculos ou abscessos nos ductos ou nas próprias glândulas salivares.
  • Fluxo salivar reduzido devido a condições médicas: Doenças autoimunes, como a síndrome de Sjögren e a sarcoidose, podem causar boca seca. AIDS e diabetes também são suscetíveis à doença.
  • Boca seca associada ao uso de medicamentos como diuréticos ou anti-histamínicos, ou como resultado de tratamentos de radiação e quimioterapia.
  • Desidratação e desnutrição.
  • Um tubo muito tortuoso que obstrui o fluxo de saliva. Esta condição é comum na glândula submandibular.
  • Má higiene oral, que aumenta a proliferação de microrganismos.
  • Anormalidades nas glândulas salivares.
  • Tabagismo e alcoolismo.
  • Bulimia.
  • Ter mais de 65 anos.
  • Não estar vacinado contra a caxumba.

Diagnóstico de um infecção das glândulas salivares

O diagnóstico da infecção da glândula salivar deve ser feito pelo médico com base na história clínica e no exame físico do paciente, além do uso de métodos complementares em alguns casos. Um aumento no tamanho do local, a presença de pus e dor glandular podem indicar infecção bacteriana.

Métodos adjuvantes, como ultrassonografia, ressonância magnética e tomografia computadorizada, podem procurar causas potenciais. A localização do cálculo, abscesso ou tumor na glândula explica o aparecimento da infecção e permite o desenvolvimento de uma abordagem de tratamento mais completa.

A endoscopia salivar e a imagem das glândulas salivares (injeção de um agente de contraste) são exames de imagem específicos das glândulas salivares. Eles podem ser usados ​​para diagnóstico, especialmente se o cateter estiver bloqueado.

Além disso, em alguns casos, o médico pode recomendar uma biópsia das glândulas salivares e seus ductos para analisar o tecido afetado e o fluido que contém; especialmente se for necessário identificar os micróbios por trás do problema.

Possíveis complicações

As complicações das infecções das glândulas salivares são incomuns. A falta de tratamento pode fazer com que o pus se acumule e forme um abscesso crônico.

Uma infecção da glândula salivar também pode se espalhar para outras partes do corpo. Essa é uma complicação que precisa ser tratada com urgência, pois sua localização pode afetar o assoalho da boca, causando um tipo de celulite chamada angina de Ludwig, que afeta a respiração.

Se a infecção for causada pela presença de um tumor benigno, pode causar o aumento da glândula, tornando-a desconfortável, desconfortável e sem graça. Por outro lado, se uma malignidade relacionada à infecção (câncer) estiver presente, ela pode crescer rapidamente, afetar a mobilidade e se espalhar para outras partes do corpo.

Nas infecções recorrentes, a resposta inflamatória do organismo destrói o tecido glandular afetado. Embora as complicações sejam incomuns, elas são possíveis; portanto, o tratamento imediato é sempre importante.

Tratamentos e cuidados para uma infecção das glândulas salivares

O tratamento de uma infecção da glândula salivar dependerá da gravidade da condição, sua localização, sintomas associados e, mais importante, se existe uma causa subjacente para o início da doença. Se a infecção for causada por um vírus, ela geralmente se resolve sozinha após alguns dias.

Normalmente, o curso e os sintomas são monitorados. Se a infecção for bacteriana, pus e febre se desenvolvem. Antibióticos são necessários, e aspiração e drenagem do abscesso com agulha também podem ajudar.

Casos mais complicados requerem hospitalização, reposição de líquidos e antibióticos intravenosos. Espalhar a infecção para os tecidos mais profundos da cabeça e pescoço deve ser evitado, pois é muito perigoso.

Às vezes, a cirurgia é necessária, especialmente para infecções recorrentes, persistentes ou associadas à presença de um tumor. A cirurgia pode envolver a remoção de algumas ou todas as glândulas.

Confira outras receitas em nosso site e siga nossa página no Facebook para ficar por dentro das novidades mais populares da culinária!

Quando a infecção está associada a cálculos que bloqueiam o ducto, esses cálculos também devem ser removidos cirurgicamente.

Se forem pequenos, pode ser realizada uma técnica minimamente invasiva chamada sialendoscopia; por outro lado, se forem maiores, pode ser necessário um procedimento mais invasivo. Em ambos os casos, as glândulas podem ser preservadas.

Alguns cuidados em casa

O uso de remédios caseiros que estimulam o fluxo de saliva pode ajudar a melhorar os sintomas. Abaixo mostramos alguns:

  • Tomar bastante água;
  • Tomar de 8 a 10 copos de água com limão por dia;
  • Fazer bochechos com água morna e sal;
  • Chupar doces azedos sem açúcar ou frutas cítricas;
  • Fazer massagens circulares na glândula afetada;
  • Aplicar calor e compressas mornas na área por 10 a 15 minutos;
  • Usar substitutos de saliva;
  • Manter uma boa higiene oral;
  • Os fumantes devem evitar o tabaco.

Em nenhum caso esses remédios podem substituir os tratamentos recomendados pelos profissionais responsáveis ​​por indicar o melhor tratamento para cada situação particular.

Exame médico para possível infecção das glândulas salivares.
A inflamação na glândula infectada pode ser palpável do lado de fora.

Quando consultar um profissional?

Como já mencionamos, o tratamento das infecções das glândulas salivares deve ser orientado por um profissional de saúde. Portanto, qualquer alteração no fluxo de saliva, boca seca ou sabor desagradável, febre ou inchaço e vermelhidão da face ou pescoço são suficientes para consulta.

Se os sintomas forem graves o suficiente para interferir na alimentação, deglutição ou respiração, persistirem por mais de duas semanas ou começarem a se espalhar cada vez mais, o atendimento imediato é fundamental. O tratamento imediato pode prevenir complicações graves.

Algumas sugestões para evitar infecções nas glândulas salivares

Embora não haja como evitar o desenvolvimento de uma infecção da glândula salivar, algumas práticas podem ajudar a reduzir o risco de infecção. Por exemplo, beber bastante água e manter-se hidratado ajuda muito.

Manter uma boa higiene bucal, escovar os dentes, usar bochechos e usar fio dental pode reduzir o número de microrganismos na boca. Visitas regulares ao dentista e limpeza dos dentes a cada 6 meses também podem reduzir o nível de bactérias na boca.

Evitar hábitos que secam a boca, como álcool e tabaco, pode ajudar, e mascar chiclete sem açúcar também pode estimular a produção de saliva. O controle e o tratamento de outras doenças crônicas também são importantes.

Em geral, o prognóstico para infecções das glândulas salivares costuma ser bom. De qualquer forma, como já mencionamos, é sempre a melhor solução consultar um médico se houver suspeita dessa condição.

5 soluções naturais para controlar os sintomas da gengivite